O único restaurante de tradição que é Líder.

Não se assuste, mas o antigo Largo Dois de Julho também já foi a Praça da Forca! E há quem jure de pés juntos que ainda escuta o som gostoso do Chafariz da Cabocla que impressionava quem passasse pela rua. Tempos depois, quando o Largo 2 de Julho ainda era um jardim de feiras livres cercado por pequenos botequins, nasceu O Líder com o nome Don Quichope, entregue de bandeja à boemia por um espanhol divertido e bigodudo. Talvez nem pareça, mas o Restaurante Líder também é churrascaria, e das melhores, especialista em tira-gostos como as tortilhas, asinhas de frango e costelinhas de porco. Os pastéis têm personalidade forte e o queridinho da casa é o de pernil. A mariscada, o malassado, os bacalhaus se mantêm como sucesso de público e de crítica. O filé negro é incomparável, desde sempre o mais solicitado. Afinal, como a Bohemia, um clássico não sai da moda. [expander_maker id=”1″ more=”Read more”] Nosso Líder sempre foi território de intelectuais, artistas, poetas, escritores… representantes e devotos de todas as tribos. Espaço pra viver, muito papo pra curtir, lotado de lendas flutuando na memória como o caso do matuto que vendeu suas fazendas e veio para a capital com sua maleta transbordando de dinheiro e, opa!, esqueceu debaixo da cadeira! Dia seguinte, recebeu a prova milionária da honestidade baiana pelas mãos deste santo homem, o garçom Manoel Roberto. Uma lembrança entre tantas de um Líder que se mantém na vanguarda motivado por suas próprias tradições. Sem esquecer que o melhor da história tá na mesa: boa comida em companhia da Bohemia geladinha. [/expander_maker]